segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

A música, nos permite análises e reflexões sobre as tecnologias atuais



As Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação do Campo é uma disciplina do Cursos de Licenciatura em Educação do Campo que possibilita compartilhar conhecimentos na base da formação para docência dos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio. Durante a disciplina realizou-se estudos que versam compreender esta área no cenário da educação do campo, no sentido de empoderar os educandos da turma de Limoeiro do Ajuru Pará, com conhecimentos relacionados as teorias construídas e os recursos tecnológico. Várias ferramentas tecnologias constituíram espaço de estudo e debate em sala de aula. A música foi tratada, no conjunto das produções, mas não foi possível analisar o conteúdo musical. Por conta disso, o objetivo desta atividade é escutar a música da cantora Pitty – Admirável chip novo e a partir da letra produzir um texto individual expondo análise interpretativa referente ao tema musical apresentado pela canção, disponível no site:https://www.youtube.com/watch?v=iIZjrnYIouE

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

A internet tornou-se uma ferramenta de comunicação muito utilizado no mundo contemporâneo. Possibilita acesso a informações, permite acesso a redes sociais, pesquisas, estudos, debates e outras questões que não é objetivo descrever. Mas, ao mesmo tempo tem gerado situações desagradáveis, ao expor o comportamento inadequados de internautas no ciberespaço virtual.
Dessa maneira, surgiu a NETIQUETA, um conceito para se pensar e preocupa-se com aquilo que se publica na internet. Ao se basear nesta ideia, questiona-se os estudantes da educação do campo de Mocajuba, Pará, sobre o que compreendem da discussão a respeito da netiqueta? Emitam sua opinião, em forma de um comentário sobre o tema após a leitura do texto abaixo:
Dica de leitura deste tema, encontra-se disponivel no site:  http://gepoteriko.pbworks.com/w/page/24171667/NETIQUETA  Acessado em:03/01/2018.

terça-feira, 13 de junho de 2017

ALGUMAS CONCEPÇÕES DA PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM



A temática em discussão constitui-se de argumentos referentes a psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem no qual dialogamos juntamente com os estudantes da Licenciatura em Educação do Campo, turma 2016/ Cametá sobre importantes concepções que, a psicologia a partir do método experimental apresentam contribuições relevantes para o contexto educacional. Dentre estas destacamos a psicologia comportamentalista, o construtivismo e abordagem histórico cultural.
A psicologia comportamentalista estuda o comportamento humano no sentido de medir, moldar, controlar. Procura explicar o comportamento a partir do estimulo/resposta. A intenção é descobrir quais estímulos podem provocar um dado comportamento. Dessa forma a finalidade desta corrente é prever para controlar o comportamento humano e animal.
O construtivismo defende a ideia de que o conhecimento é fruto do processo de construção. O conhecimento se dá na relação que o homem estabelece com o meio em que vive. Neste espaço ele se adapta e interage com o meio no sentido de manter o equilíbrio. Ele incorpora, assimila fatos, objetos do meio e faz acomodação que é processo que transforma as estruturas de pensamento para novamente assimilar outros fatos e objetos.
 Vygotsky expõe elementos relevantes da abordagem histórico cultural. Por meio desta exposição, nos possibilita compreender que os seres humanos a partir do nascimento encontra-se numa relação onde os conhecimentos e saberes são mediatizados pelo contato com outras pessoas.  “As ferramentas utilizadas no processo de mediação são os instrumentos e os signos” (GOULART, 2017, p. 56).
Os instrumentos são criações humanas destinadas a melhorar a condição de vida, de trabalho como a vassoura, roupas, a enxada, caneta, etc. enquanto os signos são artefatos simbólicos utilizados pela linguagem para comunicação como os gestos a escrita, os códigos de trânsitos dentre outros. Esses elementos nos permitem compreender o mundo, as relações, os objetos e os sentimentos e faz a criança gradativamente apropria-se das significações socialmente construídas por meio da cultura. As funções mentais herdadas pela dimensão biológica nos dá condições de realizar controle daquilo que vem do meio e para o controle do indivíduo para se processar de forma consciente.
Para Vygotsky a aprendizagem e o desenvolvimento se inter-relacionam.  O primeiro impulsiona o segundo.  Para ele existem dois níveis de desenvolvimento. O nível de desenvolvimento real e o nível de desenvolvimento proximal. No primeiro a pessoa é capaz de resolver sozinha e no segundo com a ajuda de pessoas experientes.
Com base nessa fundamentação escreva um texto expondo dificuldades ou facilidades que você encontrou na trajetória escolar, que poderia ser melhor compreendidas, a luz dos conhecimentos advindos da psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Educação e as tecnologias da comunicação e informáticas

As tecnologias da comunicação e informáticas tem alcançado diversos espaços cibernéticos, sociais, geográficos atingindo uma boa parte dos seres humanos do planeta. Diversas são as técnicas utilizadas para chamar atenção dos internautas ou dos telespectadores redefinindo o estilo de sociedade contemporânea, em sua maioria fundamentada numa estrutura de poder que massifica a comunicação e imbeciliza o outro. São diversas as formas utilizadas para chamar atenção  para que cada um, tenha acesso a esses meios midiáticos. Ao tomar consciência da importância das mídias de comunicação e analisar sua intervenção na sociedade, a escola por meio da educação pode se utilizar dessa tecnologia para tornar as pessoas mais conscientes, críticas e produtores de novos ferramentas de comunicação. Ao estudarmos sobre as tecnologias da comunicação com os estudantes do curso de pedagogia 2013/matutino discutimos alguns paradigmas de educação e tecnologias da comunicação presentes em nossa sociedade e as possibilidades de se trabalhar no contexto educacional para além da oferta que estes instrumentos tem nos possibilitado. Para continuar pensando sobre essas ideias, propõe-se que leiam o texto "um novo gênero cinematográfico: o documentário catástrofe" de Ieda Cavalcanti. O texto se encontra no site: http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/famecos/article/view/5364/4883 Após a leitura realizem seu comentário apresentando suas ideias/contribuições sobre o assunto apresentado.

domingo, 8 de junho de 2014

AVALIAÇÃO, É UM ELEMENTO DE JULGAMENTO OU DE AÇÃO?

Ao estudarmos sobre avaliação do ensino e da aprendizagem começamos a indagar, sobre o verdadeiro significado da avaliação. Será para medir, punir, classificar os aptos e não aptos ou para avaliar os conhecimentos adquiridos/produzidos/contextualizados, em sala de aula? Em diversas instituições educacionais, da educação básica, ao ensino superior nos deparamos com paradigmas avaliativos extremamente radicais, ou seja, com um modelo de avaliação que deixa o estudante  com medo de serem avaliados. Em muitos casos, sentem-se o pavor se dá por conta de alguns formatos de provas, que tendem a não expressar os conhecimentos desenvolvidos durante as aulas, sem conexão com seus saberes cotidiano. Essas e outras discussões sobre avaliação foram fundamentos de estudo durante a disciplina avaliação do ensino e aprendizagem, com a turma de biologia 2012 no Campus Universitário de Altamira/UFPA. Com base nessa discussão, convido os estudantes desta turma, a responder a questão: Qual entendimento tens sobre avaliação a partir do estudo em sala de aula e o conteúdo exposto nos vídeos? Pensando nessa problematização, acesse os dois vídeos clicando nos seguintes endereços eletrônicos. O primeiro vídeo está no site: https://www.youtube.com/watch?v=6rHvpwKOpQg o segundo encontra-se no endereço: https://www.youtube.com/watch?v=NyV47Ty3JzA Não esqueça de retornar, para colocar seu comentário observando a questão abordada.

sábado, 31 de maio de 2014

A HISTÓRIA DE NOVO REPARTIMENTO (1) UMA ATIVIDADE DESENVOLVIDA PELOS ALUNOS DE PEDAGOGIA/PARFOR DE NOVO REPARTIMENTO



Antonia  Pereira de Sousa[2]
Francisca Ferreira Nogueira[3]
Judirlene da Luz Santana[4]
 Luceni de Souza Silva[5]
Maria Soares Costa Medeiro[6]
Maria Teresa de Matos[7]
Através da construção da hidrelétrica de Tucuruí deu-se a mudança da antiga cidade de Repartimento para outra localidade, a partir dessa mudança a cidade passou a se chamar Novo Repartimento. Por volta do ano de 1977, começaram as polêmicas sobre a construção da Usina Hidrelétrica de Tucuruí - U.H.T. Essa situação gerou revolta por parte da população da cidade de Repartimento, com a Eletronorte, empresa  responsável pela construção da  U.H.T., eles reivindicavam os direitos por tudo o que haviam construído naquela localidade tanto na zona urbana quanto na zona rural, pois, com a edificação daquela obra, toda área do antigo município seria alagada, e com isso as pessoas perderam o trabalho de toda uma vida, sem contar com o desastre ecológico. 
A única preocupação da empresa seria o benefício que isso lhe traria, com isso a população revoltada se uniram na luta por uma indenização para recomeçar uma nova vida e poder sustentar sua família. Depois de muitas greves a empresa ofereceu uma pequena indenização, como estavam cansados entraram em um acordo o que empresa lhe propôs  era uma casa, e um lote de cinco alqueires e uma pequena parte em dinheiro pelos benefícios feitos nas propriedades atingidas.
Essas lutas foram iniciadas pelo senhor Raimundo Temístocles do Nascimento Belém que também fazia parte dos desapropriados daquela comunidade. No final do ano de 1983 começaram-se as primeiras mudanças para a área escolhida pela Eletronorte onde a mesma havia construído as casas que foram doadas para os desapropriados, sem nenhum conforto, não havia saneamento básico, energia, água encanada, pois até o banheiro era comunitário, a água para o consumo dos mesmos era recebida através de um carro pipa.
Novo Repartimento foi criado através da Lei Nº 5. 702 de 13 de Dezembro de 1991, com isso desmembrava dos municípios de Tucuruí, Jacundá e Pacajá. O município de Novo Repartimento criado por esta Lei, foi  instalado no dia 1º de Janeiro de 1993, com a posse do prefeito, vice-prefeito e vereadores eleitos no pleito municipal  de 03 de outubro de 1992. (Art. 4º da Lei de nº 5.702 de 13 de dezembro de 1991).
Apesar de todas essas mudanças, não foi suficiente para que as pessoas ficassem satisfeitas, por isso a luta ainda continua por causa dos prejuízos  que  tiveram. Após alguns anos os desapropriados receberam mais uma parte da indenização através de um cartão que lhe dava o direito de uma cesta básica mensal no valor de R$ 200,00 por um período de um ano e meio a dois anos.
Os mesmos formaram uma cooperativa que lutam para receber o que lhes restam de direito e acreditam vencer, com o apoio da cooperativa, do poder judiciário, Eletronorte, Caixa Econômica e Prefeitura Municipal de Novo Repartimento, a receberem uma casa construída pela Caixa Econômica.
Mesmo com as dificuldades a população cresceu, o desenvolvimento da cidade ampliou tanto que hoje ela se encontra com uma população de aproximadamente 65.000 habitantes, podendo comprovar seu crescimento com a formação das vilas que fazem parte do município. Esta afirmação resultam de informações obtidas através de entrevistas feitas com pessoas que passaram por esta trajetória.  
REFERÊNCIAS
GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ. Lei nº 5.702 Palácio do Governo do Estado do Pará, Belém; 1991.


[1] Texto produzido na disciplina Educação e Novas Tecnologias da Comunicação e Informacionais, pela professora Maria do Socorro Dias Pinheiro – PARFOR  Universidade Federal do Pará
[2] Antonia Pereira de Sousa, assistente pedagógica da escola Pedro Luís de Camargo, estudante do curso de licenciatura em pedagogia - PARFOR pela Universidade Federal do Pará
[3] Francisca Ferreira Nogueira, professora das séries iniciais do ensino fundamental, estudante do curso de licenciatura em pedagogia -   PARFOR pela Universidade Federal do Pará
[4] Judirlene da Luz Santana, professora das séries iniciais do ensino fundamental, estudante do curso de licenciatura em pedagogia – PARFOR pela Universidade Federal do Pará
[5] Lucení de Souza Silva, professora das séries iniciais do ensino fundamental, estudante do curso de licenciatura em pedagogia – PARFOR pela Universidade Federal do Pará
[6]Maria Soares Costa Medeiro, professora das séries iniciais do ensino fundamental, estudante do curso de licenciatura em pedagogia – PARFOR pela Universidade Federal do Pará
[7] Maria Teresa de Matos, vice-diretora da escola Castelinho do Pequeno Príncipe, estudante do curso de licenciatura em pedagogia – PARFOR pela Universidade Federal do Pará


Fica o convite a todos a curtir o vídeo no you tube criado por outros alunos de Pedagogia/PARFOR/Novo, Universidade Federal do Pará, Campus de Altamira. . http://youtu.be/IVacXUF8yA0

A música, nos permite análises e reflexões sobre as tecnologias atuais

As Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação do Campo é uma disciplina do Cursos de Licenciatura em Educação do Campo que pos...